Clarissa Garotinho anuncia Emendas Parlamentares em Rio Bonito

A deputada Federal Clarissa Garotinho (PROS/RJ) esteve em Rio Bonito nesta segunda-feira (02/03) onde anunciou a liberação de emendas parlamentares e projetos no valor de R$ 400 mil para a área da Saúde e prometeu investir em turismo. Ela foi recebida na Prefeitura Municipal, no novo Centro Administrativo, pelo prefeito Leandro Neto, acompanhado do vice-prefeito, José Américo, e de vários secretários municipais além de empresários ligados direta ou indiretamente ao turismo local.

“Esses recursos para saúde são fundamentais num momento como este, em que a população sofre com a pandemia. Mas meu gabinete está à disposição para uma parceria total. Nas áreas que o município precisar, podemos ajudar com apoio técnico para elaboração de projetos, abrindo portas nos ministérios ou ficando atentos a emendas extra orçamentárias, entre outras coisas”, disse Clarissa.

O turismo, em especial, vem sendo encarado pela atual gestão de Rio Bonito como um dos caminhos para se desenvolver a economia da cidade, num eixo que engloba: incremento de turismo rural e de aventuras; criação de um parque municipal ambiental e esportivo onde é hoje a Área de Proteção Ambiental Serra do Sambê; criação de um Circuito da Banana; e implementação de uma Guarda Parque.

No estado, Rio Bonito faz parte da região turística conhecida como Caminhos da Mata, juntamente com Itaboraí, São Gonçalo, Silva Jardim e Tanguá. Por pertencer à classificação C no Mapa do Turismo Brasileiro, o município tem direito a “formalizar instrumentos de transferência voluntária de recursos, para execução de projetos e atividades integrantes do programa Turismo …” (Portaria 39/2017, do Ministério do Turismo).

Governo do Estado está trabalhando para criar um polo de empresas que usam gás em Itaboraí

O Governo do Estado está trabalhando para criar um polo de empresas que usam o gás como matéria-prima em Itaboraí e no entorno da cidade da Região Metropolitana. A ideia é que os empreendimentos fiquem próximos ao gasoduto Rota 3, em fase final de construção e que liga a Bacia de Santos a uma Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN), também em construção, no Polo Gaslub Itaboraí, o antigo Comperj. O anúncio foi feito durante o evento Maricá Energy 2021, realizado virtualmente no último dia 5.

Segundo o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia e Relações Internacionais, Leonardo Soares, a criação deste hub será fundamental para ampliar o potencial de monetização do gás natural e atrair investimentos para o estado do Rio de Janeiro.

– O Gaslub possui alta sinergia com empresas de serviços e indústrias, principalmente ligadas ao ramo químico e petroquímico. Queremos gerar mais relevância para o empreendimento com a chegada de mais empresas para a região – explica Leonardo Soares.

O subsecretário estadual de Óleo, Gás e Energia, Daniel Lamassa, destacou que o gasoduto Rota 3 tem como objetivo ampliar o escoamento de gás natural dos projetos em operação na área do pré-sal da Bacia de Santos.

– Este gás será uma realidade a curto prazo. Portanto, temos que criar um setor de serviços na região para usufruir desta energia. A Rota 3 está sendo construída pela Petrobras para interligar a produção da Bacia de Santos com a UPGN de Itaboraí. A capacidade de escoamento será de até 21 milhões de m³ por dia. Já a UPGN terá capacidade de processamento e beneficiamento do gás natural com capacidade máxima para tratar 14 milhões de m³ por dia, com previsão de operacionalização ainda em 2021 e com empresa operadora já definida: a Forship Engenharia, empresa carioca de engenharia – explicou Lamassa.

Representantes da Prefeitura de Maricá e do Sebrae, entre outros convidados, também participaram da live promovida pela Rede Petro Rio, que teve como objetivo incentivar a aproximação e a geração de negócios entre as pequenas e grandes empresas do setor de Petróleo, Gás e Energias Renováveis no estado do Rio de Janeiro.

 

 

Fonte: rj.gov.br

Moradores seguem sofrendo com o mau cheiro e o gosto de terra na água no Rio de Janeiro

Apesar do pedido de desculpas do governador em exercício, Cláudio Castro, e da previsão de normalização do abastecimento da água para a tarde desta quarta-feira, até o momento, moradores do Rio seguem sofrendo com o mau cheiro e o gosto de terra. Porém, a coloração escura presente na água há dias atrás, já está mais clara, segundo consumidores.
Fernanda Dias, moradora de Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, relatou que desde o dia 21 de janeiro, a água está turva e com cheiro e gosto de terra. Nesta quarta-feira, a coloração da água chegou mais clara na casa dela, mas o cheiro e o gosto permanecem os mesmos.
A fotógrafa e a família pararam de consumir a água que chegava na torneira assim que começou o problema, mas estão gastando o dobro, já que estão tendo que comprar galão de água e ainda pagando a conta da Cedae, que chega todo mês. “Estamos comprando galão de água. Eu me sinto desrespeitada. Acabo pagando por duas contas. Por um serviço que não me atende. É um gasto a mais”, disse.
Assim como a Fernanda, a Rose Santos, moradora da Estácio, na Zona Central, está tendo que comprar água para beber, fazer comida e tomar banho.
“A água continua péssima, com gosto e cheiro ruim”, disse. “Eu me sinto mal mesmo, porque estou desempregada no momento. Estou trabalhando de faxina quando aparece, então quer dizer nem tenho como ficar comprando água mineral, mas fazer o que?”, disse.
Na Zona Norte do Rio, o problema da água também continua. Mário Jorge Rodrigues, morador do bairro Encantado, relatou ao DIA que desde o final do ano passado a água está com gosto de terra e coloração escura, mas nesta quarta-feira, está saindo mais clara da torneira.
Para poder consumir a água que chega em casa, Mário está tendo que ferver a água para fazer uso normal. Ele também disse que foi preciso trocar a tubulação da rua onde mora, que tinha mais de 50 anos.
Em busca de soluções:
A deputada estadual Adriana Balthazar (NOVO) está requerendo informações sobre a Cedae quanto à solução dos problemas com a água que atingem tanto a cidade do Rio quanto a Baixada Fluminense. A parlamentar visitou, na última quinta-feira (4), a Estação de Tratamento de Água (ETA) Guandu para entender a crise e buscar uma solução.
“Como cidadã e em prol da cidade do Rio, eu fui lá. Eu não posso ficar sem fazer nada em uma situação recorrente. A estação é uma das mais excelentes do mundo para tratar água, não para tratar esgoto e é isso que está acontecendo. Já tem um projeto de uma barragem, mas não se sabe como anda esse projeto. Então, entrei em contato com o Governo do Estado sobre o projeto e ainda não obtive respostas”, disse a deputada.
Previsão de normalização do abastecimento de água
Em vídeo publicado nas redes sociais, o governador em exercício, Cláudio Castro, pediu desculpas para a população por conta da crise da água e disse que a Cedae deve normalizar o serviço até esta quarta-feira.
“Eu queria pedir perdão a você. Como governador em exercício é nossa obrigação que todos os serviços públicos, inclusive a água, cheguem na sua casa sem problema algum. Infelizmente, essa é uma questão estrutural da Cedae, que a gente vem tentando trabalhar ano a ano. A resposta que a Cedae me deu é que até quarta-feira a situação está 100% normalizada”, falou.
As regiões abastecidas pela estação ETA Guandu foram interrompidas de maneira preventiva pela Cedae na noite deste último sábado (6), no período aproximado de 19h até 5h. A ação foi feita para evitar o aumento do número de algas na lagoa próxima a estação de tratamento que cresceu nos últimos dias.
Segundo a Cedae, a manobra de abertura das comportas para a renovação das águas que entram na ETA do Guandu atingiu seu objetivo. “Desta forma, a água que está saindo da estação já não apresenta as características de cheiro e gosto da geosmina/Mib”.
A mudança começará a ser sentida pela população logo que esta nova água chegue a suas casas, de acordo com a empresa. “Lembrando que nos casos de coloração da água, os clientes devem entrar em contato com a Cedae para que técnicos possam ir até o local, afinal são casos que dependem da rede de distribuição de cada consumidor, devendo ser analisado caso a caso”, disse em nota.
A companhia reforçou que, além desta recente manobra, tem usado carvão ativado para reduzir a geosmina/Mib; aplicado argila ionicamente modificada para combater a proliferação das algas que causam a geosmina/Mib; feito monitoramento de espécies e quantidades algas e da presença de geosmina/Mib com maior frequência; contratado laboratórios especializados para análises de gosto, cheiro e geosmina/Mib; e dialogado com o Ministério Público e a Defensoria Pública sobre a relação de consumo entre a companhia e seus clientes.
“A companhia ainda assumiu a responsabilidade pela realização da obra Proteção da Tomada d’Água que vai resolver, de forma definitiva, os problemas na captação. Orçado em R$ 120 milhões, o projeto será licitado dentro de três meses”, afirmou a Cedae.
Fonte: meiahora.com.br

Governo planeja retomar benefício do auxilio emergencial após o carnaval

Ganhou fôlego nesta semana a discussão sobre uma possível retomada do auxílio emergencial em 2021 , após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ministro da Economia, Paulo Guedes, admitirem a possibilidade de recriação do benefício, depois de meses de negação.

A extensão do auxílio está sendo discutida diante do avanço do número de casos e mortes por covid-19 desde o fim do ano passado, que deve postergar a recuperação da economia e do mercado de trabalho. Segundo cálculos do economista Naércio Menezes, do Insper, o fim do auxílio em dezembro já empurrou mais de 2 milhões de brasileiros à pobreza neste início de ano, conforme reportou o G1.

A proposta oficial do governo ainda é desconhecida, mas o mercado já reage negativamente à hipótese de uma nova despesa ser criada fora do teto de gastos e sem cortes de outros desembolsos como contrapartida.

 

 

 

Fonte: @subcelebrities

Governo do Estado repassa R$ 256 milhões para as 92 prefeituras

O Governo do Estado repassou nesta semana R$ 256 milhões para os 92 municípios fluminenses. O depósito feito pela Secretaria de Fazenda refere-se ao montante arrecadado no período de 25 a 29 de janeiro. Os valores correspondem à distribuição de parte da arrecadação de royalties do petróleo e dos tributos IPI, ICMS e IPVA às administrações municipais. Desde o início deste ano, ao adicionar as cotas-parte e os repasses relacionados às transferências federais e à receita diretamente arrecadada pelo Estado, os municípios receberam um total acumulado de R$ 1,58 bilhão.

Os depósitos semanais são feitos por meio da Secretaria de Fazenda, conforme prevê a Lei Complementar 63, de 11 de janeiro de 1990. As consultas dos valores dos exercícios anteriores podem ser feitas no Portal do Tesouro do site da Fazenda (www.fazenda.rj.gov.br).

Os valores semanais transferidos aos municípios fluminenses variam em função dos prazos fixados na legislação vigente. Dependendo do mês, pode haver até cinco datas de repasses. As variações destes depósitos oscilam conforme o calendário mensal, os prazos de recolhimento tributário e o volume dos recursos arrecadados. A agenda de recolhimento tributário pelos contribuintes está concentrada no dia 10 de cada mês.

Índice de Participação dos Municípios

Os repasses aos municípios da arrecadação de royalties do petróleo e dos tributos IPI e ICMS são liberados de acordo com os respectivos Índices de Participação dos Municípios (IPM), apurados anualmente para aplicação no exercício seguinte, conforme determina a Constituição Federal e observado o disposto na Lei Complementar Federal nº 63, de 11 de janeiro de 1990, nas Leis Estaduais 2.664, de 27 de dezembro de 1996, e nº 5.100, de 04 de outubro de 2007, e no Decreto Estadual  46.889, de 20 de dezembro de 2019.

 

Fonte: rj.gov.br