Rússia vai parar de atacar Kiev e arredores, diz Moscou; Negociações são concluídas

As tropas russas vão parar de atacar Kiev e os arredores da capital ucraniana, segundo anunciou nesta terça-feira (29) o vice-ministro da Defesa russo, Alexander Fomin. O anúncio foi feito após o final da nova rodada de negociações que Rússia e Ucrânia realizaram nesta manhã em Istambul, na Turquia, para tentar colocar fim a mais de um mês de ataques russos ao território ucraniano.

No encontro, a Ucrânia propôs adotar a neutralidade, segundo informaram membros da delegação na saída da reunião. O status neutro significa que o país não pode fazer parte de alianças militares, como a Otan, nem hospedar bases militares em seu território.

Em troca, Kiev pediu garantias de segurança, disseram negociadores ucranianos.

As propostas também incluiriam um período de consulta de 15 anos sobre o status da Crimeia anexada e poderiam entrar em vigor apenas no caso de um cessar-fogo completo, segundo a agência de notícias Reuters.

Os negociadores divulgarão ainda nesta terça-feira um documento comum com as conclusões do encontro. A Rússia informou que falará sobre o encontro quando os membros de sua delegação chegarem de volta a Moscou.

Reunidas em Istambul, na Turquia, as delegações dos dois países debateram nesta manhã os dois principais pontos impostos pelos ucranianos: garantias de segurança e a organização de um cessar-fogo por questões humanitárias.

As delegações dos dois países foram recebidas pelo presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, que pediu o fim imediato da guerra. Na semana passada, a conversa entre os dois países terminou travada nos principais pontos. No domingo (27), porém, o presidente ucraniano

“As conversas que acontecem agora focam em questões importantes. Uma delas são as garantias internacionais de segurança para a Ucrânia e a segunda é o cessar-fogo para que possamos resolver problemas humanitários que se acumularam no país”, disse o conselheiro político do governo da Ucrânia Mykhailo Podolyak. “Com esse acordo seremos capazes de dar um fim à guerra”.

Do lado russo, o negociador Vladimir Medinsky afirmou na televisão estatal do país que os dois lados devem produzir uma declaração conjunta já nesta terça-feira. A delegação enviada pelo Kremlin vai exigir da Ucrânia garantias de neutralidade.

No início da sessão, o presidente turco pediu colaboração das duas partes. “As partes têm preocupações legítimas, é possível chegar a uma solução que seja aceitável para a comunidade internacional. A prorrogação do conflito não interessa a ninguém”, afirmou Erdogan, que pediu pressa às delegações.

“O mundo inteiro espera boas notícias”, disse o líder turco aos negociadores”.

Roman Abramovich

De acordo com a agência France Presse, o oligarca russo Roman Abramovich, que que tentou se posicionar como negociador entre Moscou e Kiev, também participa do encontro. Abramovich e outros membros da delegação ucraniana passaram mal após reunião na capital da Ucrânia, e foi levantada a suspeita de envenenamento, que o serviço de inteligência dos Estados Unidos negou na segunda-feira (28).

Crédito: g1.globo

Ministro da Saúde diz que não vai decretar fim da pandemia “sozinho”

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse hoje (18) que não vai tomar sozinho a decisão de editar ato para determinar o fim da emergência sanitária por covid-19, e que ouvirá secretários de Saúde e outros ministérios antes de tomar qualquer atitude.

“Nós rumamos para pôr fim a essa emergência sanitária. É uma prerrogativa do ministro [da Saúde], por meio de um ato, porque assim a lei determina. Mas o ministro não vai tomar essa decisão sozinho, vai tomar essa decisão ouvindo as Secretarias Estaduais de Saúde, outros ministérios, outros Poderes, para que transmitamos segurança a nossa população”, disse Queiroga.

Ontem (17), Queiroga se reuniu com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, para tratar do tema, depois de já ter se encontrado com os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) para discutir o mesmo assunto.

O ministro vem buscando esclarecer a intenção do governo de iniciar a transição da categoria de pandemia para a de endemia, tipo mais brando de emergência sanitária. A medida está em estudo e foi anunciada no início do mês pelo presidente Jair Bolsonaro.

Nesta sexta-feira (18), Queiroga voltou a avaliar que “a pandemia está sob controle” em muitas partes do país. “Tanto assim que em mais de 16 estados já se flexibilizou o uso da máscara e, dos maiores, inclusive em ambientes fechados. As máscaras são um símbolo da pandemia”, disse.

Ele atribuiu a desaceleração da disseminação do novo coronavírus ao aumento da aplicação de vacinas, que disse terem sido “fundamentais” no controle da doença. “Se não fossem elas, nós não estaríamos na situação que estamos hoje. Estamos com a pandemia em desaceleração franca”, afirmou.

As declarações de Queiroga foram dadas durante uma agenda em Belo Horizonte, onde participou de uma oficina sobre a liberação de recursos do Programa Previne Brasil, que repassa a estados e municípios recursos para a atenção básica à saúde, tendo como base critérios populacionais e também de desempenho.

Open Health

Ele aproveitou a ocasião para também defender a criação de uma espécie de open health, sistema similar ao open banking criado pelo Banco Central, que permite um compartilhamento mais amplo de dados sobre clientes entre as instituições financeiras.

Na visão de Queiroga, a aplicação da mesma lógica ao setor de Saúde permitirá um maior conhecimento sobre o uso do sistema complementar, podendo acarretar em redução de gastos públicos e fraudes.

“Fazer uma plataforma como o Open Finance, como o Open Banking e o Open Insurance, na Saúde Suplementar pode criar um novo ciclo virtuoso de desenvolvimento. Isso não tem nada a ver com privatização do SUS. Nada. Pelo contrário, vamos conhecer melhor o que acontece com os beneficiários do setor privado que usam o setor público. Quem são aqueles que não fazem ressarcimento ao SUS?”, indagou o ministro.

 

Crédito: Agência Brasil

Prefeitura de Tanguá continua notificando proprietários e pode remover mais veículos abandonados pela cidade

Desde que foi lançada, em meados de julho do ano passado, a operação de notificação de proprietários e remoção de veículos abandonados pela cidade tem sido considerada um sucesso pela secretaria municipal de Fazenda, Indústria e Comércio.

De lá para cá, a maioria das notificações efetuadas resultaram na retirada dos veículos pelos seus proprietários, que têm um prazo de 15 dias para a remoção por conta própria, mas que, em caso de não atendimento, poderá resultar no recolhimento para o depósito público municipal, além da aplicação de multa, taxa de cobrança de utilização do guincho e cobrança de diárias até a retirada.

“Com a operação de notificação antecipada aos proprietários, além de reduzirmos os custos com reboque e manutenção de sucatas nos pátios legais dos órgãos de trânsito, livramos a população dos inúmeros perigos que eles representavam, como possíveis esconderijos de malfeitores, além da diminuição da poluição visual”, disse o secretário da pasta responsável pela operação, Eliezer Cardozo.

Nos últimos dias foram adesivadas notificações em 10 unidades de veículos das mais variadas marcas e modelos, na localidade conhecida como Buraco Quente, no Centro, que continuam aguardando a remoção por parte de seus proprietários. Já por não terem atendido às notificações, outros dois proprietários tiveram seus veículos rebocados para o depósito público.

“Foi uma das mais bem-sucedidas operações que já realizamos com relação à desobstrução das vias do município, além de trazer economicidade em toda a logística de sua realização, já que em poucos casos tivemos necessidade de uso do guincho”, completou Eliezer.

 

Crédito: Ascom Prefeitura de Tanguá

Em briga, policial militar de São Paulo mata síndico e comete suicídio

Um policial militar matou um síndico e cometeu suicídio na manhã desta terça-feira (15), em Jundiaí (SP). O crime foi registrado na Avenida Dr. Adilson Rodrigues, no Jardim Samambaia.

Segundo a polícia, o PM também foi síndico no mesmo condomínio e a motivação da briga de condomínio foi por desentendimentos em questões administrativas.

Ainda conforme a polícia, os envolvidos começaram a discutir ainda no condomínio, que fica no mesmo bairro, quando os dois saíram de carro e começaram a se fechar no trânsito.

Na sequência, o PM atirou contra o síndico, que não resistiu aos ferimentos. Após o crime, o policial voltou para casa, onde se matou.

A mulher do atual síndico foi socorrida em estado de choque e levada a um hospital da cidade. O PM não estava trabalhando no momento do crime.

Policiais civis e peritos foram até o condomínio e a rua onde ocorreram os disparos. O delegado do 5º DP, responsável pela investigação, começou a ouvir testemunhas e pediu imagens de câmeras de segurança do condomínio.

A arma usada pelo policial foi apreendida e o caso foi registrado como homicídio seguido de suicídio.

Crédito: Portal g1

Rodovia de acesso a Nova Friburgo, RJ 116, está com tráfego normal em toda a sua área de concessão

O tráfego de veículos pela Rodovia RJ 116 (Itaboraí – Nova Friburgo – Macuco) é normal em todo o trecho sob concessão da Rota 116. Na manhã desta terça-feira, dia 11 de janeiro, operários fazem a limpeza de redes de drenagem e de desobstrução do acostamento em dois pontos da rodovia. Uma equipe está entre o quilômetro 55 ao 58 e outra, entre o quilômetro 125 ao 133, no trecho Norte. Neste local, na noite de segunda-feira (10) e na madrugada desta terça-feira (11), ocorreram três incidentes. Uma queda de árvore no quilômetro 128,3 e outra no quilômetro 132,7 e a queda de barreira no quilômetro 127. Nos três eventos não houve necessidade de interdição da Rodovia e nem houve vítimas.

Veículos de inspeção também circulam em todo o trecho sob concessão avaliando os locais e prestando socorros a veículos em pane mecânica ou elétrica ou que sofreram acidentes. Na manhã de hoje, terça-feira (11), equipes prestaram socorro a um caminhão que obstruía uma faixa de rolamento na altura do quilômetro 57,3 na Serra dos Três Picos, em Cachoeiras de Macacu, depois de sofrer uma pane. Também não houve feridos.

Fakenews

A Concessionária Rota 116 ressalta a importância dos usuários se informarem sobre as condições de tráfego através dos canais oficiais evitando, assim, espalhar fake news sobre a rodovia. “Os canais oficiais como o site, as redes sociais, as newsletters, que são distribuídas em casos graves de interdições, e os painéis de mensagens variáveis (PMV) ao longo da RJ 116, são os meios de comunicação da Concessionária. Qualquer outro modo de comunicação deve sempre ser questionado pelo usuário. Há ainda os telefones (22) 2525 1116 e o 0800 282 0116 (este último para comunicados de emergência, como acidentes ou pane em veículos), que podem e devem ser acionados pelos usuários”, destaca o superintendente da Rota 116, Edyano Bittencourt.

A Concessionária lembra que a distribuição de fake news pelas redes sociais causa preocupações desnecessárias e congestiona os canais de comunicação da Concessionária que devem estar livres para atender chamados reais e necessários, muitos deles, importantes para salvar vidas. “Somente ontem foram mais de 100 ligações de usuários que receberam notícias falsas e queriam confirmação”, finaliza Edyano.

 

Crédito: Vinícius Martins – Assessoria de Imprensa