Menino que caiu de prédio e irmãos costumavam ficar sozinhos, dizem testemunhas

às
3

Testemunhas contaram em depoimento que o menino Hallan Luis Silva Ramos Ventura, de 7 anos, e seus irmãos de 8 e 4, costumavam ficar sozinhos no apartamento em que moravam, no bairro do Andaraí, na Zona Norte do Rio. A criança morreu na manhã deste domingo (26), após cair do segundo andar do prédio onde vivia com a família, na Rua Dona Amélia. No momento do acidente, estavam somente a vítima e o mais velho na residência.

O menino vivia no apartamento com os irmãos, a mãe, Jéssica da Silva Ramos, a avó Marise Alves da Silva e o tio, Luís Felipe Silva Ramos. Entretanto, nenhum dos três adultos estava no imóvel no momento do acidente. De acordo com informações do Registro de Ocorrência, a queda aconteceu quando a criança tentava passar do próprio quarto para o da avó pela janela. O caso é investigado pela 20ª DP (Vila Isabel) como abandono de incapaz com resultado de morte.

A síndica do condomínio contou em depoimento que era madrinha de Hallan e chamada de “vovó” pelos três irmãos, porque ajudou a criá-los. Segundo ela, a avó das crianças não estava em casa porque trabalha todos os dias, inclusive aos domingos, como cuidadora de idosos para ajudar a sustentar a filha e os netos. A mulher relatou ainda que Jéssica trabalha no setor administrativo de uma rede de hospitais e que cuida bem dos filhos, mas que costuma deixar os meninos sozinhos para sair com os amigos e ir para baladas aos fins de semana.

Ainda de acordo com a oitiva da síndica, o irmão mais velho do menino bateu em sua porta, por volta das 11h40, e ao abrir teria contado que a vítima caiu quando tentava passar entre os cômodos. Ela relatou que precisou acalmar o menino, que estava em estado de choque. Também em depoimento, um policial militar da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Andaraí disse que vizinhos reforçaram a versão da síndica de que a mãe das crianças sai constantemente para lazer, deixando os filhos sozinhos.

No relato, o PM afirma que encontrou o apartamento da família “em estado lastimável, com bagunça, sujeira e deterioração” e que, aparantemente, o espaço onde ocorreu a queda tinha uma grade que não protegia a janela inteira. Até o momento, a mãe de Hallan não foi localizada. Na manhã desta segunda-feira (27), um tio do menino esteve no Instituto Médico Legal (IML) Afrânio Peixoto, no Centro do Rio, para liberar o corpo dele. Ainda não há informações sobre o sepultamento da criança.

 

Crédito: odia.ig.com

Veja também

As companhias aéreas Azul e Gol anunciaram, nesta quinta-feira (23), acordo de cooperação comercial que vai conectar as suas malhas aéreas
às
Cerca de 200 ciclistas deverão participar do GP das Montanhas de ciclismo que acontece neste domingo, dia 26 de maio
às

Deixe aqui sua opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Últimas Notícias