PM é preso acusado de matar motorista da Prefeitura de Niterói em Maricá

às

O soldado da Polícia Militar Luiz Felipe Mendes de Souza, acusado de matar o motorista do chefe de gabinete da Prefeitura de Niterói, se entregou ontem (31) à polícia, na Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI). O militar é lotado no 23º Batalhaõ da PM do Leblon, no Rio de Janeiro, e estava acompanhado de um advogado. A vítima, Bruno Gonçalves Crespo, tinha 38 anos e foi morto à tiros em um bar em Itaipuaçu, Maricá, no último dia 19. Luiz Felipe estava escondido em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

“Ele estava escondido em Duque de Caxias e se apresentou no batalhão de lá. Confessou (o crime) e disse que no dia do fato estava comemorando o aniversário de casamento com a esposa e amigos”, afirmou o delegado que investiga o caso, Gabriel Poiava. “Ele afirmou, ainda, que infelizmente estava muito alcoolizado e disparou”, completou. Segundo a Polícia, após o crime, o suspeito se abrigou no carro onde sua mulher estava e fugiu com ela. “Vamos avaliar qual é a participação dela no crime. A arma usada já foi encontrada e está sendo trazida para a delegacia”, informou Poiava.

A informação é de que o crime ocorreu após uma discussão. De acordo com a investigação, Luiz Felipe e a vítima não se conheciam. Eles teriam brigado ao disputarem por um lugar no bar em que estavam, na Rua 1, em Itaipuaçu, Maricá. O soldado da PM foi até sua casa para buscar a arma e executou o motorista da Prefeitura de Niterói, dentro de um veículo, um Chevrolet Onix branco.

Após prestar depoimento, o soldado da PM foi levado para a Unidade Prisional da Polícia Militar, no Fonseca, em Niterói.

Veja também

Encerradas definitivamente, sistema de transferências via DOC, um dos mais tradicionais meios de pagamentos bancários por décadas.
às

Deixe aqui sua opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Últimas Notícias