Traficante de SG foi um dos responsáveis pela morte de estudante da UERJ, no Rio

às

A Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA) concluiu que é de São Gonçalo um dos traficantes acusados de assassinar a universitária Matheus Passarelli Simões Vieira, a Matheusa, no Morro do Dezoito, em Água Santa, na Zona Norte do Rio, em abril de 2018. Até hoje o corpo de Matheusa não foi encontrado e a delegada Elen Souto, responsável pela investigação, apurou que a universitária foi morta com um tiro de fuzil e, em seguida, teve o corpo esquartejado e queimado.

De acordo com a polícia, Matheusa saiu desorientada de uma festa e correu nua pelas ruas num trajeto de 1,6km pelas ruas Cruz e Souza, Bernardo, Paraná e da Pátria, até chegar ao Clube da Várzea, próximo ao acesso do Morro do Dezoito, quando foi interceptada pelos bandidos. O trajeto foi refeito pela DDPA, que coletou imagens de câmeras de segurança.

Ao chegar num dos acessos da comunidade, ela foi abordada por um grupo de traficantes e levada para o tribunal do tráfico. Durante seu julgamento, a universitária falava palavras desconexas e tocou no fuzil de um traficante, na tentativa de convencê-lo a não matá-la.

“Matheusa foi capturada pelos traficantes e levada até uma área no alto do morro. Estava desorientada e tentou convencer um traficante a largar a arma. Quando encostou na arma, levou um tiro de fuzil”, narrou a delegada.

Segundo Elen Souto, o traficante que atirou em Matheusa é conhecido como “Pe da Boa” e oriundo de uma comunidade do Boa Vista, em São Gonçalo. Na época do crime, ele estava buscando abrigo no Morro do Dezoito. A DDPA segue trabalhando para descobrir a identificação completa do criminoso.

As investigações já apontaram que os traficantes Genilson Madson Dias Pereira, o GG, e o chefe do tráfico no Dezoito, Messias Gomes Teixeira, o Feio, participaram do tribunal e foram os responsáveis por dar a ordem para que o corpo fosse incinerado. A dupla teve a prisão decretada pela juíza Viviane Ramos de Faria, da 1ª Vara Criminal, acusados de homicídio doloso e ocultação de cadáver.

Recordando – Matheus Passarelli era de Rio Bonito e cursava Artes Visuais da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. A estudante era não binária e não se identificava como nenhum gênero, e era chamada de Matheusa por familiares e amigos.

Matheusa desapareceu após sair de uma festa de aniversário de uma amiga, na Rua Cruz e Souza, no Encantado, em 29 de abril do ano passado. Ela teria ido ao evento para fazer uma tatuagem na aniversariante, mas a menina desistiu. A desistência teria causado uma frustração na universitária, que saiu correndo desorientada, tirando peças de roupa pela rua, e falando frases desconexas.

 

Veja também

Carnaval injetou R$ 5 bilhões na economia da cidade do Rio no mês de fevereiro. O público estimado foi de 8 milhões de pessoas
às
Com o avanço da epidemia dengue na cidade, a Secretaria Municipal de Saúde do Rio (SMS) tem tomado uma série de medidas contra a proliferação
às
O registro da Onça-parda, raro do felino macho foi feito nos dias 6 e 7 de fevereiro, por meio de armadilhas fotográficas
às

Deixe aqui sua opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Últimas Notícias