PF cumpre mandados no Rio, Niterói e Maricá em operação contra o desvio de recursos destinados à saúde

Os alvos são pessoas físicas e jurídicas investigadas por desvios de recursos públicos federais destinados à saúde do município de Maricá
às
desvio
Foto: Reprodução

A Polícia Federal (PF) cumpre 14 mandados de busca e apreensão expedidos pela 2ª Vara Federal de Niterói, nos municípios de Maricá, Niterói e Rio de Janeiro. Os alvos são pessoas físicas e jurídicas investigadas por desvios de recursos públicos federais destinados à saúde do município de Maricá, na Região dos Lagos do Estado do Rio de Janeiro. A decisão também determinou o afastamento de servidores públicos, entre eles a secretária de Saúde de Maricá.

As investigações que levaram à Operação Salus apontam para um prejuízo estimado em mais de R$ 70 milhões em recursos públicos destinados à saúde. Na versão romana da mitologia grega, Salus era a deusa da saúde, limpeza e sanidade, associada diretamente com a prevenção de doenças e uma vida saudável.

Afastados

Além dos mandados de busca e apreensão, a Justiça Federal impôs medida cautelar alternativa à prisão consistente na suspensão do exercício das funções públicas de servidores municipais responsáveis pela execução, gestão e fiscalização das verbas públicas, assim, destinados à saúde municipal. Entre os afastados está Solange Regina de Oliveira, secretária municipal de Saúde.

A medida também foi aplicada à Simone da Costa Silva Massa, diretora do Hospital Municipal Che Guevara, e ex-secretária de saúde do município.

Os outros investigados afastados das funções públicas são: Marcelo Costa Velho Mendes de Azevedo, membro e presidente da Comissão de Avaliação de Desempenho (CAD), e Carlos Augusto Anacleto, membro e presidente da Comissão de Acompanhamento e Fiscalização do Contrato de Gestão (CAF).

O g1 entrou em contato com a Prefeitura de Maricá, que informou que tem interesse em colaborar para o esclarecimento de quaisquer denúncias que envolvam a gestão, pois o princípio da administração é a aplicação correta dos recursos públicos.

O poder municipal afirmou ainda que a determinação de afastamento dos servidores será cumprida e todos os novos pedidos de informações serão atendidos.

Investigação

A investigação foi iniciada a partir do relatório de auditoria de conformidade do Tribunal de Contas do Estado (TCE/RJ), realizado na Secretaria Municipal de Saúde de Maricá, no período entre agosto e dezembro de 2022. O documento trouxe indícios de crimes na execução de um contrato de gestão que foi vigente entre os meses de fevereiro de 2020 a 2024 com o Instituto Gnosis, uma organização social de saúde (OSS).

Um dos locais de busca foi nas residências dos sócios da OSS, em um condomínio de luxo na Barra da Tijuca. Nos locais foram apreendidos 4 veículos de luxo, R$ 50 mil em espécie, telefones celulares, notebooks e documentos.

De acordo com a auditoria realizada, somando-se os aditivos celebrados, o contrato ultrapassa o valor de R$ 600 milhões, o que significa um aumento de aproximadamente 151% do valor inicialmente celebrado, que era cerca de R$ 240 milhões. As investigações estimam um prejuízo de cerca de R$ 71 milhões aos cofres públicos.

As apurações verificaram a ausência de transparência durante o contrato que cuidava da gestão de um grande volume de dinheiro envolvido. Além disso, indicam a existência de uma organização criminosa, composta por servidores públicos, empresários, operadores financeiros e outras pessoas.

Os investigados responderão pelos crimes de organização criminosa, peculato desvio e lavagem de dinheiro, sem prejuízo de eventuais outros crimes que possam surgir no decorrer da investigação.

Nota do Instituto Gnosis

“O Instituto Gnosis informa que a Operação Saulus da Polícia Federal causou surpresa a seus membros, uma vez que, sempre apresentou todas as devidas prestações de contas e em quase 10 anos de existência, jamais sofreu qualquer medida de natureza criminal.

O Instituto afirma ainda que preza pela transparência e qualidade dos serviços prestados em todos os contratos que possui e está à disposição das autoridades para qualquer esclarecimento que se faça necessário, ressaltando que, até o momento, não teve acesso ao conteúdo do processo.”



Fonte: g1.lobo.com

Veja também: Megaoperação da polícia deixa mortos e feridos em comunidades do Rio de Janeiro e nos acompanhe nas redes sociais.

Veja também

Ministério Público do estado, Secretaria de Polícia Civil e Delegacia de Homicídios também foram oficiados
às

Deixe aqui sua opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments

Últimas Notícias