Polícia e MPRJ prendem 4 em operação contra fraude bancário

A Justiça ainda determinou o bloqueio de R$ 8 milhões em bens e valores.
às
Screenshot_4
Foto: Reprodução/TV Globo

Polícia e MPRJ prendem 4 homens nesta quinta-feira (13) em Operação Shell Company, contra fraude bancária que movimentou meio bilhão de reais entre 2020 e 2022.

Segundo as investigações da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco-IE) e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco/MPRJ), o grupo abriu diversas empresas de fachada para obter um empréstimo de R$ 8 milhões com a ajuda de gerentes do Santander da Avenida Koeler, em Petrópolis.

Polícia e MPRJ prendem 4 em operação contra fraude bancária
Polícia e MPRJ prendem 4 em operação contra fraude bancária – Foto: Reprodução/TV Globo

O próprio banco identificou a fraude, abriu uma notícia-crime e ajudou a rastrear o dinheiro e a identificar os golpistas.

Os presos

  • Jefferson de Aguiar Leal, chefe do esquema;
  • João Vitor Hibner de Figueredo, operador do esquema;
  • Leonardo de Oliveira Tonelli, ex-gerente de banco;
  • Osiris Alves de Luca Filho, ex-gerente de banco.

O juiz Thales Nogueira Cavalcanti Venancio Braga, da 1ª Vara Criminal Especializada em Organização Criminosa, ainda determinou o bloqueio de R$ 8 milhões em bens e valores.

Entre os endereços visados estão a Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, e Itaipava, distrito de Petrópolis, na Região Serrana fluminense. Lá, agentes apreenderam carros e motos.

Leia mais – Alunos de Ciep se envolvem em briga generalizada siga nossas redes sociais.

Como foi o golpe

Segundo a Draco e o Gaeco, a quadrilha usou documentos falsos para abrir empresas de fachada em nome de laranjas, que muitas vezes nem sabiam que tinham sido incluídos no esquema.

Essas firmas não possuíam atividades comerciais reais e nem sequer funcionavam nos endereços fornecidos. A análise dos dados fiscais e bancários ainda revelou inconsistências como a não emissão de notas fiscais.

Com as empresas “funcionando”, gerentes do Santander cooptados pela quadrilha abriram contas no banco. Os golpistas, então, passaram a fazer diversas transferências de altos valores entre as companhias a fim de torná-las “sólidas” e “lucrativas”.

Assim, o “score” das firmas era elevado — artificialmente —, facilitando o caminho para obter empréstimos. Mas, de acordo com a investigação, o crédito era concedido sem o cumprimento de regras básicas de segurança e compliance bancário.

Dado o empréstimo, os R$ 8 milhões foram pulverizados e transferidos rapidamente entre diversas contas, dificultando o rastreamento. Os fundos obtidos foram usados para adquirir bens e financiar negócios legítimos, como postos de gasolina, lojas automotivas, academias de ginástica e restaurantes.

O g1 tenta contato com os investigados.

Crédito: g1

Veja também

As compras internacionais feitas a partir do próximo sábado, dia 27, já poderão vir a ser taxadas com o novo imposto de importação
às
Todos os ocupantes do Bombardier CRJ-200, da Saurya Airlines, eram funcionários da própria companhia aérea. Comandante da aeronave foi resgatado com vida.
às

Deixe aqui sua opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Últimas Notícias