Feira de adoção de cães e gatos consegue lar para 21 animais

A Prefeitura de Maricá, por meio da Coordenadoria de Proteção Animal, realizou no domingo (21/11) mais uma edição da Feira de Adoção de cães e gatos, conseguindo um novo lar para 21 animais (13 cães e 8 gatos) dos 59 disponíveis para a adoção. O evento ocorre sempre no terceiro domingo de cada mês na área externa do shopping Boulevard, no Centro.

Coordenador da Proteção Animal de Maricá, Fabiano Novais antecipou algumas novidades que serão implementadas em 2022. Uma delas é o projeto de socialização de cães com os novos donos, que visar ensinar técnicas básicas de adestramento para quem participa das campanhas.

“Temos planos também de expandir a feira no próximo ano, realizando duas edições mensais em vez de apenas uma como fazemos hoje. Estamos avaliando também levar o evento para outros bairros de acordo com a demanda. Aqui no Centro já virou tradição, com um público consolidado, por isso precisamos manter”, ponderou.

Uma das pessoas que levou um cãozinho para casa foi Diana Cunha, de 43 anos. Ainda sem decidir o nome para o novo pet, ela disse que a feira é importante para os próprios bichinhos. “É melhor levá-los para casa do que deixá-los na rua”, afirmou.

Morador de Ubatiba, o pedreiro Ismael Francisco, de 48 anos, contou que apenas passava pelo local quando viu os animais expostos para adoção e acabou levando para a casa a vira-lata Pretinha. “Agora vou ter de juntá-la com os dois pinshers que já tenho. É bom para não deixar os bichinhos largados por aí”, avaliou.

Nova lei municipal visa garantir controle populacional de animais de rua

O município de Maricá conta, a partir de agora, com mais um instrumento positivo de controle populacional de animais em situação de rua. Sancionada pelo prefeito Fabiano Horta, a lei de número 3.057, de 13 de outubro, institui na cidade o Protocolo C.E.D (captura, esterilização e devolução) para animais sem tutor reconhecido no âmbito do município.

Segundo o texto da lei, o protocolo poderá ser realizado por órgãos públicos municipais, por instituições não governamentais ligadas à proteção e promoção do bem-estar animal devidamente regularizado junto aos órgãos competentes e protetores independentes cadastrados junto à Coordenadoria Especial de Proteção Animal.

A utilização do protocolo é permitida para cães e gatos em situação de rua, exceto àqueles que se encontrem com seu tutor também em situação de rua. O procedimento precisa ser autorizado por estes tutores, desde que sejam bem informados dos processos.

Segundo o responsável pela Coordenadoria Especial de Proteção Animal, Fabiano Novaes, a iniciativa se torna importante pela celeridade de tempo, dando mais autonomia às protetoras independentes cadastradas no órgão.

“Antes as protetoras dependiam de fazer por conta própria e a gente também não podia fazer estes procedimentos, então ficava uma lacuna para os cuidados com esses animais”, frisou.

O coordenador explicou o processo de controle reprodutivo que funciona na cidade. “A gente pega o animal, faz a triagem, exame de sangue, vê se ele está em condições para o procedimento e depois ele é encaminhado para a Clínica Maricá ou para o Castramóvel”, disse.

Prefeitura de Rio Bonito arrecada tampinhas para castração de animais resgatados; em parceria com o Projeto Rio Eco Pets

A campanha de arrecadação de tampinhas, junto a Secretaria de Agricultura, Trabalho e Desenvolvimento Econômico de Rio Bonito, em parceria com o Projeto Rio Eco Pets, continua em ação. Toda ajuda é bem vinda, já que através deste gesto você estará contribuindo com a castração de animais resgatados por protetores cadastrados no Rio Eco Pets.

A campanha teve início no mês de julho, através do pronunciamento do Secretário Estadual de Agricultura, Marcelo Queiroz. Com a venda de todo o material reciclado, a reversão do custo beneficiará os animais.

Para participar, basta levar a sua contribuição nos pontos de arrecadações:

– Prédio Administrativo da Prefeitura de Rio Bonito
– Antigo Prédio da Prefeitura no Centro da cidade
– Mercado Municipal
– Câmara de Dirigentes e Lojistas (CDL)
– Sindicato Rural (Praça da Bandeira)
– Parque de Exposições (Via Lagos)

Caso você tenha interesse de agregar algum local como ponto de coleta, entre em contato com nossa equipe, pelo (21) 99947-9655, para que o kit seja entregue a você.

 

Crédito: Secretaria de Comunicação de Rio Bonito

Estado do Rio registrou 232 casos de maus-tratos a animais em 2020

Em 2020, foram registrados 232 casos de maus-tratos a animais silvestres ou domésticos em todo o estado do Rio de Janeiro. As ocorrências são divididas em três titulações penais: crueldade contra animais; maus-tratos contra animais silvestres; e maus-tratos contra animais silvestres se ocorre morte do animal. De acordo com levantamento feito pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), 47,4% dos crimes aconteceram no interior fluminense. Em segundo lugar, aparece a capital (28,4%), seguida pela Baixada Fluminense, com 14,7% dos casos.

Ao analisarmos as cidades individualmente, Niterói (4,3%) vem logo depois do município do Rio no ranking dos que registram mais crimes. Campos dos Goytacazes (3%), no Norte Fluminense, vem logo em seguida. Quase 45% das ocorrências tiveram uma residência como local de fato. A via pública foi o segundo lugar que mais apareceu no levantamento, com 22,4% dos casos.

O número de registros de ocorrências de maus-tratos a animais em 2020, porém, foi quase 10% menor que o de 2019 (257). A diretora-presidente do ISP, Marcela Ortiz, acredita que a queda no número de crimes pode ser o reflexo da conscientização da população de que os maus-tratos a animais têm consequências criminais, além da ação dos órgãos de fiscalização.

– Assim como muitos crimes que acontecem no interior de uma residência, é muito importante que vizinhos, parentes e pessoas próximas não se omitam e denunciem caso percebam que há sofrimento do animal doméstico. O mesmo vale para os animais silvestres, que não podem ser criados em casa. Aliás, dependendo do animal silvestre, ele pode colocar a vida de alguém em risco – afirmou.

O Comando de Polícia Ambiental (CPAm) da Secretaria de Polícia Militar atua para coibir o comércio de animais nativos e silvestres, principalmente o realizado em feiras urbanas tradicionais. Os policiais também atuam impedindo a manutenção desses animais em cativeiros irregulares em todo o estado. A Secretaria de Polícia Civil conta com a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente, que funciona na Cidade da Polícia, na Avenida Dom Hélder Câmara 2.066.

Para denunciar, ligue para o serviço 190, para o telefone do CPAm (21 2334-7634) ou pela Linha Verde do Disque Denúncia (0300 253 1177). O anonimato é garantido.

 

Fonte: rj.gov.br

Cartilhas sobre proteção aos animais são distribuídos em Niterói

A Coordenadoria de Proteção aos Animais de Niterói (CCPAD) da Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SMARHS), aderiu ao Dezembro Verde, quando diversos municípios brasileiros realizam ações para combater os maus tratos e abandono de animais domésticos. Para conscientizar a população, os agentes estão percorrendo diversos bairros e distribuindo cartilhas em comércios da cidade com dicas e orientações para que os animais, sejam de estimação ou não, sejam tratados com amor e carinho. A cartilha também orienta sobre adoção e castração.

O artigo 32 da lei 9.605/98 da lei federal de crimes ambientais diz que praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos é crime, assim como abandonar. A pena é detenção de dois a cinco anos, multa e proibição da guarda do animal.

O Dezembro Verde é uma campanha que tem como foco combater os maus tratos e o abandono de animais, pontuando a importância da denúncia contra esses atos. Segundo o coordenador de Proteção Animal da Prefeitura de Niterói, Marcelo Pereira, a ação de distribuição das cartilhas tem como objetivo tratar sobre os direitos dos animais.

“A educação e conscientização sobre esses assuntos nas cartilhas são fundamentais para a defesa dos animais da cidade. É uma oportunidade para conscientizar e gerar uma população que se preocupa e protege cada vez mais os animais, e combater cada vez mais os maus tratos e abandonos de animais”, conta o coordenador.

Até a semana que vem serão distribuídas mais de 6 mil cartilhas e folhetos nos comércios como pet shop, padarias, bancas de jornais em Niterói.

Denúncias – Em caso de qualquer suspeita de agressão ou abandono de animais, a denúncia pode ser feita em qualquer delegacia mais próxima.

A pena é de detenção pode ir de dois a cinco anos, proibição da guarda do animal, além de multa para pessoas que cometeram qualquer tipo desses atos contra os animais. Em caso de óbito do animal a pena aumenta.

CCPAD – Em julho, o Centro de Controle Populacional de Animais Domésticos (CCPAD), no Fonseca, completou três anos de funcionamento. Neste período, já foram realizadas cerca de cinco mil castrações de cães e gatos de moradores da cidade. Além de outras ações educativas, esse é um serviço fundamental para a população, e principalmente para os animais. A iniciativa permite ampliar o trabalho e as políticas públicas de proteção animal da Prefeitura de Niterói com base na lei federal 13.426/2017 que incentiva esse tipo de prática para proteção dos animais e controle de crias”, ressaltou.

Castramóvel

O Castramóvel que começou no mês de outubro, e fez 500 cirurgias em animais dos bairros do Caramujo, Engenho do Mato, Badu e Engenhoca. O Castramóvel é um caminhão totalmente equipado para a realização de cirurgias em cães e gatos, atendendo, prioritariamente, famílias de baixa renda. O equipamento conta com sala de preparação, de cirurgia e pós-cirurgia e é administrado pelo Centro de Controle Populacional de Animais Domésticos (CCPAD), da Secretaria Municipal de Meio Ambiente Recursos Hídricos e Sustentabilidade. O veículo fica 15 dias em cada local. O projeto conta com a parceria da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal Fluminense (UFF). A equipe é composta por quatro veterinários, um anestesista e técnicos.

Além do CCPAD e do Castramóvel, a cidade conta ainda com a Unidade de Controle de População Animal, situada em Icaraí, que é administrada pelo Controle de Zoonoses da Prefeitura.

 

Fonte: ofluminense.com.br