Bebê espancado pelo pai permanece em estado grave

De acordo com o tio Agnaldo Rangel, O menino perdeu o rim direito e metade do esquerdo e continua em estado grave. O tórax está drenando menos sangue e a urina clareou um pouco. Melhorando o quadro atual, ele será levado para a sala de cirurgia.

Neste domingo, 44 pessoas foram até o Hemocentro doar sangue para o bebê. A criança está na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica, do Hospital Ferreira Machado, em Campos dos Goytacazes.

Entenda o caso

O crime aconteceu nesta sexta-feira 2 de Abril em São Fidélis próximo a Campos. O bebê de apenas 2 meses foi levado pelos pais para o Hospital Armando Vidal.

Segundo a equipe do hospital, o bebê estava com lesões em todo o corpo, afundamento de crânio, fratura de costelas e mordidas pelo corpo, inclusive em estágios diversos de evolução, o que segundo a polícia, tende a caracterizar a denominada síndrome de Silverman, ou síndrome da criança espancada.

De acordo com a polícia, o pai de 20 anos de idade, confessou o crime durante o depoimento. Confessou que a criança estava chorando demais. Disse aos policiais que perdeu a cabeça e espancou o filho porque se irritou com o choro insistente da criança.

A mãe do bebe

Antes do pai confessar o crime, a mãe de 21 anos contou a polícia que ela e o bebê haviam sido sequestrados após saírem de casa a procura do pai que havia saído de casa cedo sem avisar onde ia e que os criminosos teriam colocado ela e o bebê dentro de um veículo, espancando somente a criança e depois liberado os dois.

A versão da mãe foi desmentida pela confissão do pai.

O casal foi preso e autuados em flagrante. O pai pelos crimes de tortura e lesão corporal e a mãe por tortura por omissão.

De acordo com a polícia, a situação jurídica pode se agravar caso a criança não resista aos ferimentos.

O casal permanece preso na sede da 134ª DP, onde aguardam transferência para a Audiência de Custódia.

Macaé: Corpos de gestante e bebê arrancado da barriga são enterrados em Carapebus

Os corpos da gestante Pâmella Ferreira Andrade Martins e do bebê dela foram enterrados na manhã desta sexta-feira (19) no Cemitério Bosque das Acácias, em Carapebus, no interior do Rio.

Pâmella estava grávida de oito meses e foi encontrada morta nesta quarta-feira (17) dentro do banheiro de casa, em Macaé, com diversos cortes pelo corpo e com a barriga cortada. O bebê foi arrancado da barriga dela.

Uma mulher foi presa suspeita de cometer o crime depois de ter dado entrada em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade com o bebê já morto.

A família disse que Pâmella conheceu a suspeita pelas redes sociais e que as duas mantinham uma amizade havia poucos meses. À polícia, a suspeita disse que conhecia Pâmella da época da escola.

Fonte: g1.globo.com

Jovem morre após ter bebê arrancado da barriga em Macaé

Uma jovem que estava grávida de oito meses foi encontrada morta no bairro Nova Holanda, em Macaé (RJ), na tarde desta quarta-feira (17), após ter o bebê arrancado da barriga e levado, segundo a polícia. O caso foi confirmado pela Polícia Militar, que disse ainda que uma mulher foi detida ao dar entrada no Hospital Público Municipal de Macaé.

A mulher deu entrada com um bebê morto na UPA da Barra e foi encaminhada para o hospital municipal para passar por exames.

De acordo com profissionais da unidade de saúde, ela chegou a dizer que tinha parido a criança e que havia caído da escada com o bebê, mas exames constataram que ela não esteve grávida.

A vítima, Pâmella Ferreira Andrade Martins, de 21 anos, era casada, já tinha um filho de 2 anos e estava grávida de outro menino.

Uma testemunha, que preferiu não se identificar, revelou que a vítima estava trancada no banheiro. Somente após arrombarem a porta, viram o que tinha ocorrido com a jovem. A reportagem ainda não conseguiu confirmar oficialmente os detalhes passados pela testemunha e aguarda retorno da Polícia Civil.

Ainda segundo a testemunha, a situação gerou comoção e revolta dos moradores.

Fonte: g1.globo.com

Recém-nascida precisa de vaga em hospital

A família de uma criança recém-nascida está vivendo momentos de angústia enquanto espera por uma vaga em qualquer hospital que tenha suporte para atender Pérola Vitória Mendonça Barbosa, de apenas um mês e 15 dias de vida.

A bebê deu entrada na UPA de Araruama, na Região dos Lagos do Rio, na tarde de sexta-feira 26 de Fevereiro com o quadro de bronquiolite e pneumonia, mas até a madrugada desta segunda-feira 1º de Março ainda não havia conseguido transferência para o Hospital Regional de Araruama ou qualquer outra unidade com condições de fazer o atendimento.

O desabafo é de Jovana da Silva Mendonça, mãe de Pérola. Ela está na UPA com a filha. A reportagem, contou que a equipe da unidade disse que foi até onde podia.

“Eles simplesmente falam que estão esperando a vaga e que não podem fazer mais nada, que já solicitaram e tudo mais. Pode ser aqui no Hospital Regional de Araruama, pode ser em Niterói, no Rio”, contou.

A avó paterna da criança, Patrícia Maria da Silva, disseque a bebê foi levada pelo avô materno, primeiramente, até o Hospital Municipal Drª Jaqueline Prates, onde a criança nasceu. Mas a neta logo foi encaminhada pela unidade até a UPA de Araruama, permanecendo no local.

“Atenderam muito bem, colocaram no oxigênio, mas depois falaram que ela não tinha como ficar lá. Ela foi colocada na incubadora e transferida para a UPA. Só que a UPA alega que não tem recursos, equipamentos necessários para mantê-la. Eles estão atendendo ela bem, eles vão e fazem o que podem. Mas ela não consegue ficar cinco minutos sem o oxigênio”, desabafa a avó.

A mãe da criança disse que assim que a filha deu entrada na UPA, a equipe logo falou da falta de estrutura.

“Na sexta-feira mesmo eles falaram ‘por que que trouxeram ela pra cá? Não temos estrutura aqui’. Hoje mesmo a médica falou comigo que esse oxigênio aqui pra ela é muito fraco, tem que ser um outro tipo. Falou que era pra gente ir na Defensoria, correr atrás, o mais rápido possível”, revelou Jovana, que pretende recorrer à Defensoria Pública nesta segunda.

Fonte: g1.globo.com

Acidente em Rio Bonito deixa feridos, entre eles um bebê

Um bebê foi lançado para fora de um carro, após o veículo em que ele estava cair de uma ribanceira na tarde deste domingo (31), na BR-101, em Rio Bonito, interior do Rio. Segundo Arteris concessionária responsável pela rodovia, além do bebê, outras quatro pessoas que estavam no carro tiveram apenas ferimentos leves. Três dos feridos, incluindo o bebê, foram socorridos e levados para o Hospital Regional Darcy Vargas (HRDV). Já os outros dois ocupantes do carro receberam atendimento médico no local e foram liberados.

De acordo com a concessionária responsável pelo trecho, o acidente aconteceu por volta das 14h25, após o motorista de um Fiat Doblò perder o controle da direção e cair com o veículo de uma ribanceira, na altura do km 263, da pista sentido Niterói. As causas do acidente não foram esclarecidas. A concessionária não informou o sexo e a idade do criança envolvida no acidente.

O trânsito na pista sentido Niterói ficou lento durante o atendimento da ocorrência.

 

 

fonte: informerj