Justiça manda prender bombeiro que atirou em atendente do McDonald’s na Taquara

O juiz Gustavo Gomes Kalil, do 4º Tribunal do Júri, determinou a prisão do sargento-bombeiro Paulo César de Souza Albuquerque, que atirou em um atendente do McDonald’s na Taquara, na Zona Oeste do Rio. O crime aconteceu no dia 9, e segundo um amigo do bombeiro não foi acidental.

Até a última atualização desta reportagem, o bombeiro ainda não tinha sido localizado. Policiais apreenderam o Mercedes onde Paulo estava no dia da agressão.

O atendente Matheus Domingues Carvalho, de 21 anos, teve alta na quarta-feira (18). Ele estava internado havia dez dias depois de ser baleado na barriga. O jovem passou por uma cirurgia, perdeu o rim esquerdo e teve ferimentos no intestino.

Matheus foi ouvido pela polícia pela primeira vez nesta segunda-feira (16), quando ainda estava no hospital.

Durante mais de 50 minutos, ele contou como foi o encontro dele com o sargento Paulo César dentro da lanchonete (entenda a dinâmica).

Segundo o delegado responsável pela investigação, Ângelo Lage, o tiro causou uma lesão na coluna que afetou o movimento das pernas da vítima.

“Ficou bem claro pra gente que realmente o tiro foi à queima-roupa. Ele tem uma lesão de queimadura na pele. Inclusive um fato novo é que o pedaço do projétil acertou a coluna dele também e ele está com uma lesão na coluna que está afetando o movimento das pernas dele”, disse à TV Globo.

Amigo negou disparo acidental

À polícia, o agressor disse que o tiro foi dado de forma acidental. Uma testemunha, no entanto, negou a versão: Carlos Felipe da Silva Brasil aparece de camisa laranja nas imagens e foi à lanchonete junto com o bombeiro acusado pelo crime.

Em depoimento, ele disse que o tiro não foi acidental. Agora, com o relato da própria vítima, os policiais da delegacia da Taquara reforçaram a tese do inquérito de que houve uma tentativa de homicídio.

Em nota, o McDonald’s afirmou lamentar profundamente e informou que prestou socorro imediatamente ao funcionário, que foi levado rapidamente para o hospital pela polícia.

“A empresa está acompanhando e dando todo o suporte para seus familiares e já está colaborando com as investigações sobre o caso”, emendou.

 

Crédito: g1

Bombeiro que atirou em atendente do McDonald’s se apresenta à polícia; defesa alega que foi um disparo acidental; veja o vídeo

O bombeiro Paulo César de Souza Albuquerque, identificado como homem que atirou no atendente do McDonald’s Mateus Domingues Carvalho após uma discussão, se apresentou na tarde desta segunda-feira (9) na 32ª DP (Taquara).

Imagens de câmeras de segurança mostram a confusão que terminou com Matheus baleado. O vídeo mostra o bombeiro dando um soco em Matheus, que reage com um tapa. Momentos depois, o atendente é baleado e cai no chão.

Inicialmente, na tarde desta segunda, o advogado de Paulo Cesar, Sandro Figueiredo, disse que as imagens não mostraram claramente seu cliente atirando no atendente da lanchonete. Posteriormente, admitiu que o bombeiro atirou, mas disse que o disparo foi acidental.

A Justiça fluminense negou nesta segunda-feira (9) um pedido de prisão contra o militar.

Em nota, o Corpo de Bombeiros informou que o militar responderá pelos seus atos na Justiça comum. Disse ainda que o comandante-geral da corporação, coronel Leandro Monteiro, determinou “a suspensão imediata do porte e posse de armas do militar, além da instauração de um inquérito policial militar para apurar a conduta do profissional e a abertura de um conselho disciplinar”

Briga por cupom de desconto

Segundo testemunhas, a briga foi por causa de um cupom de desconto.

As imagens mostram os dois conversando inicialmente. Mateus sentado dentro da loja fala com o bombeiro, que está de pé, do outro lado da janela. De repente, Paulo César abre o que parece ser uma porta, passa o braço pela janela e dá um tapa em Mateus, que rapidamente revida.

O bombeiro, então, dá a volta e entra no McDonald’s, com a arma na mão, como mostra a gravação de uma câmera do interior da loja. Algumas pessoas tentam impedir que ele avance, em vão.

O militar chega onde está o atendente, com arma em punho. No vídeo dá para ver Mateus caindo no chão e sendo acudido por um colega; enquanto o atirador sai caminhando calmamente, ao lado de uma mulher e um homem de casaco laranja e boné – que havia entrado atrás dele na loja e presenciou o crime.

Estado estável

Mateus, de 21 anos, passou por uma cirurgia, foi extubado e aguardava, acordado e consciente, uma vaga no CTI do Hospital Lourenço Jorge, na manhã desta segunda.

O atendente saiu de Minas Gerais há cinco anos para trabalhar e juntar dinheiro a fim de pagar um sonhado curso de veterinária, segundo a família.

De acordo com Marcela Costa, tia do jovem, os parentes temiam pela segurança de Mateus por causa do horário de trabalho. Ela conta que ele tinha consciência de que o horário era perigoso, mas precisava do emprego.

“A gente fez de tudo para que ele saísse de lá por causa do horário, por ser de madrugada. Mas ele preferiu continuar trabalhando, achou mais viável. Mas eu queria que ele mudasse o horário de trabalho, por ser perigoso e por ele não ter essa maldade toda. Então acabou acontecendo isso com ele. Ele não tem reação. Só fez o trabalho dele lá, falou que não tinha como prestar o serviço que o rapaz queria e aconteceu isso”, afirmou a tia.

Segundo ela, o que movia Mateus para que continuasse no trabalho durante a madrugada era a necessidade.
“O sonho dele é pagar a faculdade e fazer veterinária. Ele teve que parar de estudar porque precisava trabalhar. Porque senão tinha como. Era uma coisa ou outra. Então ele optou por trabalhar”, disse Marcela.
Crédito: portal g1

McDonald’s tira novo ‘McPicanha’ do cardápio após polêmicas

O McDonald’s decidiu retirar de seu cardápio o produto McPicanha na última sexta-feira (29) de todas as lojas do país. A medida foi tomada após a polêmica envolvendo o nome do sanduíche. A empresa foi notificada pelo Ministério da Justiça que também pediu explicações para saber se o hambúrguer realmente é feito com carne de picanha como diz na propaganda.

Nas embalagens do produto e nas campanhas publicitárias, o McDonald’s usava o nome do corte nobre da carne. Porém, a própria rede de fast-food admitiu que não há picanha na composição do sanduíche. Nesta sexta-feira, além de retirar o produto do cardápio, a empresa se desculpou por ter “gerado dúvidas” entre os clientes.

“A partir desta sexta-feira, estamos retirando do cardápio os dois sanduíches da linha “Novos McPicanha, em todos os restaurantes no país. Esclarecemos que a plataforma recém-lançada denominada Novos McPicanha teve esse nome justamente para proporcionar uma nova experiência ao consumidor com o exclusivo molho sabor picanha, uma nova apresentação e um hambúrguer diferente em composição e em tamanho (100% carne bovina, produzida com um blend de cortes selecionados e no maior tamanho oferecido pela rede atualmente)”, diz parte da nota da empresa, que em seguida pediu desculpas pelo nome duvidoso.

“Pedimos desculpas se o nome escolhido gerou dúvidas e informamos que estamos avaliando os próximos passos.”

O próprio McDonald’s já havia admitido na quinta-feira que o novo McPicanha não tinha o corte nobre da carne em sua composição, sim um “molho sabor picanha”, que é na verdade um molho com sabor mais acentuado de churrasco. A empresa se pronunciou após uma denúncia da página “Coma com os olhos”, que faz resenhas sobre comida no Instagram e no Facebook. O falso hambúrguer de picanha gerou revolta nos clientes, que logo reclamaram nas próprias redes sociais e também da rede de fast-food.

Nesta quinta-feira, o Procon-SP também notificou a rede, e o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) abriu um processo para analisar as peças publicitárias veiculadas.

O McDonald’s tem 72 horas para responder ao Procon-SP. O órgão exigiu o envio de todo o material da campanha publicitária, das mídias de divulgação da nova linha, e também da campanha anterior do sanduíche que tem a informação “sabor acentuado de churrasco e/ou picanha”, veiculados nos meios de comunicação e nas redes sociais pela empresa e por seus parceiros.

O Procon-DF determinou em medida cautelar a suspensão da venda do McPicanha e a retirada da propaganda do lanche em todas as lojas do McDonald’s na região.

O Ministério da Justiça também pede que a rede esclareça a campanha publicitária feita para divulgar os novos lançamentos, em até dez dias, para que seja analisado se as peças podem induzir o consumidor ao erro.

 

Crédito: O São Gonçalo

Funcionária do McDonald’s ataca cliente com placa de ‘piso molhado’. Veja o vídeo

Um restaurante da rede McDonald’s no Reino Unido foi palco de um chocante episódio de violência, no qual uma funcionária atacou duas clientes com uma placa de sinalização de piso molhado.

De acordo com informações do tabloide britânico The Sun, o confronto entre as mulheres aconteceu no sábado (26), em Highbury, nos arredores de Londres

Um vídeo da confusão foi feito por testemunhas e compartilhado nas redes sociais.

Na publicação, a funcionária, loira, é vista deixando o balcão de atendimento e correndo em direção à área de refeição. Ela rapidamente pega uma placa amarelo e a usa para bater em uma cliente. No entanto, a agressora é surpreendida quando a cliente reage, impedindo o ataque com um dos braços e se lançando contra ela.

As duas agarram o cabelo uma da outra com força e caem no chão. Enquanto se mantêm agarradas, uma delas grita: “Pare, sua vadia!”. Já a outra diz: “Sua vadia estúpida, não me empurre. Você sabe quem eu sou?”

Nesse momento, a amiga da cliente também aparece dando chutes na funcionária, mandando-a soltar a outra mulher. Alguns clientes se envolvem na briga segurando a acompanhante que reclama com um deles: “O que diabos você está fazendo?”. Outros tentam separar a funcionária da cliente.

As demais testemunhas ficaram surpresas com o incidente. Alguns se afastaram o máximo possível da briga e outros deixaram o estabelecimento.

A gravação termina quando a atendente do McDonald’s consegue ser libertada com ajuda dos clientes, enquanto a outra mulher grita: “Ela estava tentando me matar”.

Não há informações sobre o motivo da briga. Segundo o The Sun, os gestores da unidade do McDonald’s em Highbury não quiseram se pronunciar a respeito do incidente.

O episódio viralizou nas redes sociais e deixou os internautas intrigados. “Sinto pena dos trabalhadores por aturar clientes grosseiros, mas eu não acho correto que eles partam para agressão para resolver o problema”, opinou uma usuária.

“As famílias levam as crianças para uma refeição feliz no McDonald’s e se deparam com uma situação como essa. Que péssimo exemplo aquelas mulheres deram. Comportamento terrível na frente das crianças”, lamentou outro.

 

Crédito: Notícias Uol