Procon monitora preços de itens para apurar possíveis descontos falsos durante a Black Friday

O Procon Estadual do Rio realiza um monitoramento dos preços de itens muito procurados durante a Black Friday para apurar possíveis descontos falsos.

Ao todo mais de 650 produtos foram pesquisados em oito grandes sites. Os agentes verificaram o preço de pelo menos 80 itens em cada site.

O levantamento registrou valores de aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos.

Nesta sexta-feira (26), o dia que acontece o evento, um novo levantamento será realizado, para apurar os preços praticados.

Caso seja identificado indício de maquiagem de preços, serão instaurados processos administrativos e os estabelecimentos poderão ser multados.

 

Crédito: Band News

Procon de Búzios faz operação de fiscalização e encontra produtos fora da validade sendo comercializados em minimercado

Na última terça-feira (3), o Procon de Búzios recebeu uma denúncia de que um mercado no Porto da Barra estava comercializando diversos produtos vencidos desde o mês de junho deste ano, dentre eles, produtos com imagens fazendo alusão a personagens Infantis. Ao averiguarem a denúncia, os profissionais do órgão constataram diversas irregularidades no armazenamento dos produtos, como alimentos no chão, embalagens desguarnecidas de caixas de papelão, produtos estragados sem a destinação correta, produtos armazenados ao lado da caixa de passagem de esgoto (fossa), entre outros.

De acordo com o Coordenador do Procon, Paulo Bezerra, o mercado também tinha várias irregularidades com relação a documentação. Os agentes descartaram todos os produtos que estavam vencidos e em desuso, e deu prazo de 15 dias para que tudo seja devidamente adequado conforme as normas e a legislação em vigor.

 

 

 

Fonte: Prefeitura de Búzios

Araruama, Búzios e São Pedro da Aldeia tem postos de combustíveis interditados em operação do Ministério da Justiça

Em operação do Ministério da Justiça, três postos de combustíveis foram interditados na manhã de hoje, quinta-feira (8), em Araruama, Búzios e São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos. A ação acontece em diversos estados do Brasil. No Rio de Janeiro, os agentes da Policia Civil e do Procon, atuam na fiscalização de postos de combustíveis da capital, Região Metropolitana, dos Lagos e na Costa Verde.

O objetivo é verificar a qualidade dos combustíveis, aferir bombas de abastecimento, a transparência da composição dos preços ao consumidor, a regularidade dos documentos fiscais e de emissão. A ação nacional pretende frear o crescimento dos casos de adulteração de combustíveis, de sonegação de impostos, de formação de acordos de cartéis entre os revendedores, entre outras fraudes.

 

 

Crédito: Band News FM Rio

Procon e a ANP fiscalizaram denúncia de preços abusivos em postos de combustíveis em São Pedro da Aldeia

O Procon São Pedro da Aldeia e a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) realizaram, nesta terça-feira (16), uma ação conjunta para vistoriar postos de combustíveis do município alvos de denúncias.

O objetivo da ação foi verificar a prática de preços abusivos, após os sucessivos aumentos do valor dos combustíveis nas refinarias. A recorrente variação nos custos dos produtos pode facilitar a venda por valores não correspondentes.

Segundo a Prefeitura, não foram encontradas irregularidades quanto aos preços praticados nos dois postos denunciados.

Durante a operação, a nota fiscal de compra das mercadorias foi analisada, assim como os cupons de saída e os valores exibidos nas bombas. A prática abusiva é constatada quando o estabelecimento compra o produto por um custo inferior, estoca, e repassa ao consumidor já com o valor correspondente ao aumento das refinarias, mesmo que o tenha adquirido pelo preço antigo.

O coordenador do Procon aldeense, Marcio Lisboa, explicou como o cálculo é feito.

“Na operação de hoje, comparamos as notas fiscais de entrada com o valor dos combustíveis que já estavam nas bombas. Verificamos que o preço final dos produtos estava em torno de 18% ou 19% acima do seu custo de produção e distribuição, o que é considerado aceitável”, afirmou.

Fonte: g1.globo.com

Procon realizou operação de fiscalização em 14 agências de bancos

O Procon Estadual do Rio de Janeiro, autarquia vinculada à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, realizou operação de fiscalização em 14 agências do Banco do Brasil, Caixa Econômica, Bradesco, Santander e Itaú nesta quarta e quinta-feira (04 e 05/11). Os fiscais vistoriaram agências nos municípios do Rio de Janeiro, Niterói e Maricá para averiguar denúncias de consumidores. No Banco do Brasil de Madureira, a espera chegou a mais de 50 minutos, enquanto no Itaú de Maricá, um idoso teve que aguardar 45 minutos para ser atendido.

Em 2020, o Procon-RJ recebeu mais de 110 denúncias de agências bancárias, sendo 72% delas sobre o tempo excessivo de espera em filas. A legislação dos municípios fiscalizados limita o tempo máximo para atendimento. Porém no Santander de Copacabana e Santa Cruz, no Itaú de Ipanema e Maricá e no Bradesco também de Maricá o tempo estava superior ao permitido por lei. Em sete dos locais verificados, os agentes identificaram fila na área externa das agências.

Outro problema grave encontrado pelos fiscais foi a ausência de algumas medidas para manter o distanciamento social entre os clientes, a fim de evitar a aglomeração e contaminação pela covid-19. No Bradesco do Maracanã, não havia interdição de assentos. Já no Itaú de Ipanema e Maricá, no Santander de Copacabana e na Caixa Econômica de Realengo e da Barra não existia marcação no chão, facilitando que as pessoas fiquem muito próximas umas das outras nas filas.

Os agentes também constataram terminais de senhas inoperantes, ausência de caixa adaptado para cadeirantes, número insuficiente de assentos preferenciais, ausência de cartaz com informações sobre o tempo de fila e não autenticação eletrônica de pagamento no próprio boleto. Além disso, ausência de cartaz com telefone do Bacen, inexistência de guarda volume antes da porta-giratória e falta de informação sobre o não recebimento de contas de consumo. Ausência do cartaz obrigatório com o telefone do Procon-RJ e livro de reclamações sem autenticação da autarquia foram os outros problemas identificados pelos fiscais.

Além da ação no Rio de janeiro, Niterói e Maricá, servidores também verificaram como estavam o atendimento em agências bancárias no município de Campos dos Goytacazes. Tempo elevado de espera na fila para o atendimento, ausência de medidas para manter o distanciamento social e falta de informação aos consumidores foram os problemas identificados. Em uma das agências, uma idosa relatou que teve que aguardar 2 horas e 40 minutos para ser atendida.

Locais fiscalizados:
1-Banco Bradesco – Rua São Francisco Xavier, 524, Maracanã, Rio De Janeiro
2- Banco Do Brasil – Rua Dagmar Da Fonseca, 192, Madureira, Rio De Janeiro
3- Santander – Avenida Santa Cruz, 1320, Realengo, Rio De Janeiro
4- Santander – Avenida Nossa Senhora De Copacabana, 661, Copacabana, Rio De Janeiro
5- Caixa Econômica Federal – Avenida Santa Cruz, 1215, Realengo, Rio De Janeiro
6- Itaú – Rua Visconde De Irajá, 66, Ipanema, Rio De Janeiro
7- Banco Do Brasil – Avenida Das Américas, 4430, Barra, Rio De Janeiro
8- Itau – Rua Felipe Cardoso, 226 – Santa Cruz, Rio De Janeiro
9- Caixa Econômica Federal – Avenida Embaixador Abelardo Bueno, 3500, Barra, Rio De Janeiro
10- Santander – Rua Felipe Cardoso, 540, Santa Cruz, Rio De Janeiro
11 – Caixa Econômica – Rua Gavião Peixoto, 226, Icaraí, Niterói
12 – Banco do Brasil – Rua Presidente Backer, 54 lojas 101 e 102, Icaraí, Niterói
13 – Itaú – Rua Ribeiro de Almeida, 14, Centro, Maricá
14 – Bradesco – Rua Senador Macedo Soares, 44, Centro, Maricá

 

Fonte: rj.gov.br