Polícia faz operação contra milícia suspeita de chacina em Itaboraí e São Gonçalo

às

A Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) faz, na manhã desta sexta-feira (25), em Itaboraí, a operação “Barão”, junto com o Ministério Público do Rio, para prender milicianos que estariam envolvidos na chacina ocorrida na região. São nove mandados de prisão temporária e nove mandados de busca e apreensão contra o grupo que atua nos bairros Visconde e Porto das Caixas. Um dos apontados pelo MP do Rio como integrante do bando é Renato Nascimento dos Santos, o “Renatinho Problema”, preso desde dezembro e que era motorista de Orlando Oliveira de Araujo, Orlando Curicica, investigado pelas mortes da vereadora Marielle Franco e de Anderson Gomes.

De acordo com o delegado Gabriel Poiava, da DHNSGI, dois suspeitos já estavam presos (Renatinho Problema e Felipe Cesar dos Santos, este preso ontem). Na ação de hoje, dois homens foram presos: Delano e Maycon, em flagrante e por mandado de prisão, respectivamente.

A ação também busca recuperar veículos roubados e usados pelos milicianos em falsas abordagens policiais. Em uma casa, da qual os moradores foram expulsos, os policiais encontraram um veículo picape, de cor branca, mas que estava envelopado de preto. O imóvel foi transformado no quartel general da quadrilha.

Segundo o Ministério Público, através do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), a milícia conta com agentes públicos corruptos, e, dentre as suas principais atividades, estão a cobrança de “taxas” a moradores e comerciantes, pela exploração clandestina da atividade de segurança privada, e as “contribuições” impostas aos comerciantes de botijões de gás domiciliar, fornecedores de internet banda-larga e motoristas de transporte alternativo. Nas investigações sigilosas, que seguem em curso, também foi determinada a quebra de sigilo de dados e de comunicações telefônicas dos denunciados.

De acordo com os promotores, os integrantes da milícia punem quem se nega a “curvar-se às suas ordens”. “Algumas das retaliações empregadas por esses criminosos consistem em invadir os imóveis dos moradores dissidentes e subtrair seus pertences, ou então os sequestrá-los, torturá-los e, por fim, ceifar suas vidas, desaparecendo com seus corpos”, disse o MP, com base na investigação.

Nesta quinta-feira, policiais da 71ª DP (Itaboraí) já tinham prendido dois homens do mesmo grupo miliciano. Felipe Cesar dos Santos, conhecido como Pietro, e Thiago de Souza Gonçalves, apontados como líderes da milícia. Eles estavam em um posto de combustíveis dentro de um Hyundai ix35 preto, com placa clonada. Os agentes revistaram o carro e acharam duas pistolas, grande quantidade de munição e carregadores, além de fardamento militar e anotações referentes à arrecadação proveniente da extorsão realizada pelo bando.

Os indiciados são Wanderson da Silva Oliveira, o “Juninho Milícia”; Renato Nascimento dos Santos, o “Renatinho Problema”, preso em dezembro passado; Luciano Rosa Gomes, o “Serrote”; Wildson de Souza Coutinho, o “Angolano”; Felipe Cesar dos Santos, preso nesta quinta-feira; José Alfredo Bardasson Marques, o “Alfredinho”; Diego Amaral de Miranda, o “Diego KB”; Pablo Tavares da Silva, o “Pablo”ou “Japa”; e um novo integrante, identificado apenas como Maycon.

A Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI), descartou a possibilidade de os ataques que resultaram as mortes em São Gonçalo e Itaboraí terem sido motivados por uma guerra entre traficantes. Os crimes aconteceram entre a noite de domingo e a madrugada de segunda. Na ocasião, outras três pessoas ficaram feridas. A principal linha de investigação agora é de uma ação praticada por milicianos.

Fonte: Jornal O Dia 

Veja também

Uma motocicleta foi parar em cima de um poste, em meio à fiação elétrica, na madrugada desta segunda-feira
às

Deixe aqui sua opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Últimas Notícias