MEMÓRIAS DO PRESÍDIO DO EXÉRCITO

às

ATUALIZANDO A HISTÓRIA (1ª PARTE)

Mediante honroso convite do general de Brigada Amauri Pereira LEITE (segundo na foto da direita para a esquerda), visitei a Fortaleza de Santa Cruz da Barra, em Niterói, no último dia 19/06. Ocasião em que tive a oportunidade de fazer uma verdadeira volta ao passado e reviver momentos que lá passei há 50 anos, quando servi na então Companhia de Escolta e Guarda do extinto Presídio do Exército, sediado no local à época.

O general Leite é o gestor do Setor de Sítios Históricos da Artilharia Divisionária da 1ª Divisão de Exército (AD1) e me fez o generoso convite depois de ler o meu texto “Memórias do Presídio — Fortaleza de Santa Cruz da Barra” (vide obra completa no site www.overmundo.com/banco de cultura/silva jardim/RJ). A visita me possibilitou não só rever antigos locais narrados no referido texto como também outros, a exemplo do espaço que abrigava a “Guarda do Xadrez” e o local onde havia o canil dos cães de guarda.

Observei que o antigo espaço administrativo da Fortaleza permanece basicamente o mesmo. Mas houve mudanças marcantes da época do Presídio: as casas/celas prisionais agora abrigam seções administrativas, embora continuem ostentando as antigas portas azuis com grades de ferro e as mesmas trancas da época. O reforçado e alto portão de ferro que separava a área prisional da parte administrativa foi arrancado, tendo ficado como reminiscências apenas as pilastras e os anteparos de ferro onde ele era afixado. O mesmo aconteceu com o outro portão gradeado que ficava ao fundo da área prisional separando-a da Guarda do Xadrez.

Do antigo canil, especialmente construído para abrigar os ferozes e pouco amigáveis cães dobermanns alemães que nos auxiliavam na guarda dos presos durante a noite, só restam os alicerces próximos ao grande e pesado portão de madeira que dá acesso ao centenário cais imperial na saída da antiga área prisional. Até mesmo o referido portão, antes sempre bem trancado, agora fica com a passagem franqueada à quem transita por ali. O pátio em frente às casas prisionais onde os detentos tomavam banho de sol e praticavam exercícios físicos, hoje é um estacionamento de veículos de militares.

O Presídio do Exército, criado em 1967 e extinto em 1982, era onde ficavam os acusados de participarem de guerrilhas e subversões durante o Governo Militar, iniciado em 1964 e terminado em 1985, assim como militares condenados por diferentes crimes. Por lá passaram nomes conhecidos como os professores Darcy Ribeiro e Baiard, o jornalista Nélson Rodrigues Filho, o capitão do Exército Juarez (comandante da guerrilha do Caparaó) e Amadeu Felipe, seu braço direito. Conforme conta o ex-preso político Umberto Trigueiros, que esteve no Presídio do Exercito até 1970, no seu depoimento à “Comissão da Verdade de Niterói”.

Durante cerca de duas horas eu, o general Leite, o major CELSO Gonçalves da Silva (primeiro da esquerda para a direita na foto) e o capitão Edmar Rainha SALES (primeiro da direita para a esquerda na foto) percorremos principalmente os pontos do aquartelamento relativos às dependências então ocupadas pelo ex-Presídio do Exército. O general Leite explicou que se empenha em conhecer e registrar a história da Fortaleza de Santa Cruz da Barra, assim como de outras fortificações que estão sob a sua responsabilidade. Segundo ele, algumas de minhas informações (que serão narradas e detalhadas em próximas edições) ajudaram a clarear dúvidas que ele tinha sobre a história do Presídio do Exército, bem como as suas reais dependências e funcionamento.

Revi também a capela de Santa Bárbara que atualmente celebra missas abertas ao público. O que naturalmente não acontecia na época do Presídio. O que também acontece com a visitação turística que atualmente é aberta para o público em geral sem a “burocracia” e as questões de “segurança” previamente impostas e exigidas no tempo do Presídio. Entusiasmado em falar a respeito da história da santa e da igreja, o general contou sobre a relíquia com fragmentos de ossos de Santa Bárbara recebida diretamente do Vaticano.

Fato que me despertou a atenção: no momento mesmo da minha entrada no seu gabinete, o general, que durante a visita revelou-se um fervoroso e dedicado católico, orientava a escolha e separação de apetrechos religiosos (cálices dourados, entre outros instrumentos sacros) os quais estavam sobre a sua mesa de trabalho e que seriam utilizados numa próxima missa na capela de Santa Bárbara. Ato e cena totalmente inimagináveis de acontecerem ali na época em que aquele mesmo espaço era ocupado pelo comando do então Presídio do Exército. (Continua na próxima edição).

(Evaldo Peclat Nascimento é Jornalista, Professor, Poeta e Conselheiro do Conselho Municipal de Cultura de Silva Jardim. Serviu no Presídio do Exército de 1974 a 1980, onde foi Cabo).

Veja também

Light afirma que teve que fazer uma parada emergencial por causa de um defeito na rede subterrânea.
às

Deixe aqui sua opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Últimas Notícias