Vendedor que filmou Damares é demitido de loja de roupas

às

O vendedor Thiego Amorim, que filmou a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, em uma loja de roupas de Brasília foi demitido. Em postagem no Facebook ele informou não fazer parte do quadro de funcionários da marca de vestuário e agradeceu as mensagens de apoio que recebeu após seu vídeo, questionando a ministra, ter uma grande repercussão nas redes sociais.

“Amores, venho atrás desse post informá-los que não faço mas parte do quadro de funcionários da marca. Ali ficou pequeno demais pra mim”, postou o vendedor. A loja onde ele trabalhava, no entanto, pediu desculpas à ministra e reconheceu não ter havido agressão.

Em mensagem postada nas redes sociais, o estabelecimento disse ainda que Damares não foi atendida de forma correta pelo profissional. “Gostaríamos de pedir desculpas pelo atendimento inadequado de um de nossos funcionários da loja localizada no Brasília Shopping, reconhecemos que não houve por parte de V.Sa. qualquer tipo de agressão no interior da loja”, diz a mensagem da loja, que é uma franquia da marca de roupas Cantão.

A confusão ocorreu no dia 3 de janeiro, logo após a divulgação de um outro vídeo no qual a ministra diz que “menino veste azul e menina veste rosa”, no dia de sua posse.

No vídeo postado pelo vendedor, Damares aparece trajando uma blusa azul e é questionada pelo vendidor: “E aí ministra, você é menino ou menina?”. De acordo com o usuário do Instagram que divulgou a imagem, a ministra, constrangida, passou a filmar o vendedor antes de deixar a loja. O autor da pergunta para a ministra é o vendedor Thiego Amorim. Na sua conta de Instagram, ele convidou ainda o presidente Jair Bolsonaro para visitar a loja.

Veja também

Crime ocorreu enquanto a vítima viajava junto com o marido dela pelo continente asiático, segundo a embaixada do Brasil em Nova Déli.
às

Deixe aqui sua opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Últimas Notícias