Ato pró-Bolsonaro reúne milhares de pessoas em Copacabana, no RJ

A Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, foi palco ontem de mais um ato em defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).
às
bolsonaro 2
Foto: Wagner Meier/Poder 360

A Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, foi palco ontem de mais um ato em defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Com a recente tensão entre o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e o dono do X (antigo Twitter), Elon Musk, o discurso, de cerca de 40 minutos, foi marcado pela defesa da “liberdade de expressão”.

O empresário se tornou alvo do inquérito das fake news, relatado no Supremo por Moraes, após chamá-lo de ditador e afirmar que algumas determinações judiciais brasileiras, sem citar quais, estariam em desacordo com o Marco Civil da Internet e a Constituição. Bolsonaro definiu Musk como “um homem que teve a coragem de mostrar para onde a nossa democracia estava indo”. “Quando estive com Elon Musk, em 2022, começaram a me chamar de ‘mito’. Eu disse ‘não, aqui, sim, temos um mito da liberdade: Elon Musk”, comentou.

Bolsonaro se defendeu da acusação de que teria planejado um golpe de Estado para impedir a posse de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e disse que nunca jogou “fora das quatro linhas da Constituição”, que não elaborou “minuta do golpe” alguma e que “estado de sítio é proposta que um presidente pode submeter ao Congresso”.

Para o ex-presidente, o “sistema” não teria gostado do trabalho desenvolvido pelo governo e “passou a trabalhar contra a liberdade de expressão”. Bolsonaro foi indiciado pela Polícia Federal por fraude em cartões de vacinação e a investigação aponta que o episódio teria ligação com a tentativa de golpe de Estado em 8 de janeiro do ano passado, quando manifestantes golpistas atacaram as sedes dos Três Poderes. Evitando complicar a situação do ex-presidente, a organização do evento pediu que os participantes não levassem faixas ou cartazes.

O cuidado para não infringir decisões da Justiça fez o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, discursar antes de Bolsonaro subir ao carro de som. Eles também se hospedaram em locais diferentes. Moraes proibiu, em fevereiro, que Bolsonaro, o presidente do PL e outros investigados pela PF por tentativa de golpe de Estado, se comunicassem. Valdemar afirmou que o Rio é o estado em que o PL é mais forte. Ao listar os nomes da sigla pelo estado, o senador Romário acabou sendo vaiado.

O ato, que não deixou de ter um tom eleitoreiro, foi marcado pelos elogios do presidente do PL ao vereador e filho do ex-presidente Carlos Bolsonaro. “Vocês e Bolsonaro fizeram do PL o maior partido do Brasil. Agradeço a todos vocês. Deus, pátria, família e liberdade”, declarou.

Valdemar e Bolsonaro evitaram ataques diretos ao STF e a orientação era que os apoiadores não levassem nenhuma faixa ou cartaz, buscando não piorar a situação do ex-presidente com a Justiça. A ideia do PL é que eventos como o de ontem se repitam em outras cidades até a chegada das eleições municipais, como confirmou Valdemar. “Não posso ficar com Bolsonaro no palanque. Mas isso vai passar. Vamos conseguir reverter essa situação em breve. Não tenho problema nenhum com o Judiciário. Então, eles vão ter que me liberar. Isso atrapalha o andamento do partido em ano de eleição”, lamentou.

Foto: Wagner Meier/Poder 360

Malafaia
O pastor Silas Malafaia, um dos principais organizadores e financiadores das manifestações pró-Bolsonaro, foi menos cauteloso e distribuiu críticas a Moraes e ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), em um discurso inflamado. O pastor da Assembleia de Deus avaliou o documento encontrado na casa de Anderson Torres, ex-ministro da Justiça de Bolsonaro, de minuta do golpe foi “safadeza”, a “maior fake news da história política do Brasil” e que teria sido “capitaneada pelo grupo Globo”.

O evento contou com cerca de 32,7 mil pessoas, como apontou o Monitor do Debate Político, ferramenta da Universidade de São Paulo (USP). A margem de erro é de 12%, para mais ou para menos. O público ontem equivale a 18% dos 185 mil presentes no ato anterior, em fevereiro, na Avenida Paulista, em São Paulo — os organizadores, no entanto, calculam que 1 milhão de pessoas participaram do ato na capital paulista.

Fonte: correiobraziliense.com

Veja também: Brasil tem 22 pizzarias entre as melhores da América Latina e nos acompanhe nas redes sociais.

Veja também

O Governo do Estado concluiu o primeiro trecho das obras de reurbanização da Avenida 22 de Maio, em Itaboraí
às
A população de Casimiro de Abreu demonstrou grande solidariedade às vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul
às
Uma nova frente fria deve se estabelecer no Brasil neste final de semana. Essa mudança na temperatura irá provocar o aumento
às

Deixe aqui sua opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Últimas Notícias