Festival Gastronômico de Búzios, RJ, é marcado para outubro; bares e restaurantes têm até este sábado para se inscrever

A edição 2021do Festival Gastronômico de Búzios, na Região dos Lagos do Rio, já está marcada para outubro. Os bares e restaurantes interessados em participar do evento, no entanto, têm até este sábado (4) para se inscrever.

A inscrição deve ser feita por meio de um formulário on-line, disponível no site da Prefeitura de Búzios. Entre as informações necessárias estão dados do estabelecimento, a receita selecionada para o evento e o nome do chef responsável por ela.

Os pratos terão o preço único de R$ 28 e a sobremesa R$ 22.

De acordo com a organização do evento, mais de 100 bares e restaurantes da cidade já estão confirmados no festival, que este ano ganhou um novo formato e vai acontecer nos três últimos finais de semana de outubro. A medida, ainda segundo os organizadores, foi tomada para que haja rotatividade de público, sem aglomeração.

Devido à pandemia, a última edição do Festival, já tradicional na cidade, aconteceu em julho de 2019.

Neste ano, a proposta é trazer ainda mais charme e beleza para os principais pontos turísticos do balneário, com barracas padronizadas que vão ocupar a Rua das Pedras, Rua Manoel Turíbio de Farias, Orla Bardot, Praça e Lagoa dos Ossos.

O festival é uma iniciativa da Prefeitura de Búzios em parceria com a Associação Comercial e Empresarial da cidade.

Fonte: g1.globo.com

Procon de Búzios faz operação de fiscalização e encontra produtos fora da validade sendo comercializados em minimercado

Na última terça-feira (3), o Procon de Búzios recebeu uma denúncia de que um mercado no Porto da Barra estava comercializando diversos produtos vencidos desde o mês de junho deste ano, dentre eles, produtos com imagens fazendo alusão a personagens Infantis. Ao averiguarem a denúncia, os profissionais do órgão constataram diversas irregularidades no armazenamento dos produtos, como alimentos no chão, embalagens desguarnecidas de caixas de papelão, produtos estragados sem a destinação correta, produtos armazenados ao lado da caixa de passagem de esgoto (fossa), entre outros.

De acordo com o Coordenador do Procon, Paulo Bezerra, o mercado também tinha várias irregularidades com relação a documentação. Os agentes descartaram todos os produtos que estavam vencidos e em desuso, e deu prazo de 15 dias para que tudo seja devidamente adequado conforme as normas e a legislação em vigor.

 

 

 

Fonte: Prefeitura de Búzios

Búzios, Arraial do Cabo, Cabo Frio, Iguaba Grande e São Pedro da Aldeia podem ficar sem água nesta terça-feira (6)

A terceira e última etapa de uma obra de alta complexidade será realizada na próxima terça-feira (6), e pode afetar a distribuição de água para cinco cidades da Região dos Lagos do Rio, Búzios, Arraial do Cabo, Cabo Frio, Iguaba Grande e São Pedro da Aldeia. A obra está programada para acontecer em quatro pontos às margens da RJ-106, na altura de São Pedro da Aldeia, das 5h às 21h.

Segundo a concessionária Prolagos, o trânsito na rodovia não deverá ser afetado.

Para realizar o serviço, será necessário interromper a distribuição nesses municípios. A operação do sistema será retomada após a conclusão dos serviços e a normalização do abastecimento poderá levar até 24h, principalmente nos pontos mais elevados. Porém, os usuários que têm reservatórios como caixa d’água e cisterna não serão impactados.

A obra vai resultar na ampliação do sistema, com mais uma rede para transportar água, permitindo melhor abastecimento em períodos de alto consumo, como o verão. Ainda segundo a empresa, o investimento vai possibilitar que a concessionária tenha maior controle na destinação e na quantidade de água enviada a cada localidade, conseguindo, por exemplo, direcioná-la com mais precisão para pontos mais altos dos municípios da área de concessão.

 

Consumo consciente

A Prolagos orienta a população a manter os reservatórios cheios e o registro do hidrômetro sempre aberto. Para minimizar os impactos, atividades que utilizam muita água, como lavagem de roupa, limpeza de casa ou similares, devem ser evitadas durante a parada programada.

O atendimento emergencial, caso necessário, para hospitais e postos de saúde será feito por meio de caminhões-pipa até a normalização do sistema. O cliente pode entrar em contato com a concessionária pelo Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) no telefone 0800-7020-195 ou pelo WhatsApp (22) 99722-8242, pelo aplicativo Águas APP ou pela agência virtual, no site.

MPF pede demolição de parte de pousada em Búzios

O Ministério Público Federal (MPF) pediu o início da demolição de parte de uma pousada em Búzios, na Região dos Lagos, e o pagamento de indenização por danos ambientais causados pelo estabelecimento. De acordo com o MPF, a área ocupada pela pousada é uma das que avançaram sobre a Praia de Geribá, uma das mais visitadas da cidade, e são alvo das ações do Ministério Público Federal.

O pedido foi divulgado pelo órgão nesta segunda-feira (31). Segundo o MPF, a sentença sobre o caso foi proferida no fim de 2014 e não há mais possibilidade de recurso.

Os pedidos da apelação foram indeferidos pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) e Superior Tribunal de Justiça (STJ), em fevereiro desse ano.

O Ministério Público Federal pede que haja a execução imediata da decisão que determina que a BuziosTur Buzios Empreendimentos Turísticos LTDA e Omar Joaquim Ferreira Filho, identificado como sócio administrador da empresa responsável pela pousada, façam a demolição da cerca e estrutura de madeira limítrofe à praia, em toda a extensão dos lotes, além dos muros laterais, totalizando uma área de avanço de 254 metros quadrados além do permitido quanto aos limites da propriedade, segundo o MPF.

A parte que deve ser demolida, segundo o MPF, é o recuo de 6,47 metros (lado esquerdo) e de 2 metros (lateral direita) da estrutura de madeira, além da demolição de todas as construções existentes nesta área, como um deck em madeira, um quiosque com cobertura em sapê e ajardinamento com a introdução de vegetação exótica, seguida da remoção dos entulhos.

“Após a demolição, os réus devem recompor a vegetação de restinga na área liberada, além do pagamento de valores como indenização pelos danos ambientais causados no ecossistema local, como a alteração no cordão arenoso, pela supressão da vegetação natural e a introdução de espécies vegetais estranhas, refletindo nas condições do local”, ressaltou o MPF em nota.

O valor a ser pago como indenização era, inicialmente, de R$ 100 mil. Porém, no acórdão do TRF-2, o valor foi reduzido para R$ 60 mil. Com isso, além de requerer a execução da sentença, o MPF pleiteia ainda que seja paga uma indenização no valor de R$ 239.418,80.

No requerimento, também é solicitada a penhora de eventuais ativos financeiros da BuziosTur Buzios Empreendimentos Turísticos LTDA.

Ainda de acordo com o MPF, “as outras várias ações em relação aos outros imóveis na Praia de Geribá seguem na mesma direção”.

Vereador de Búzios é considerado foragido da Justiça

Lorram Gomes da Silveira (PRTB), vereador da cidade de Búzios, é considerado foragido da Justiça depois de uma operação realizada pelo MP do Rio de Janeiro na manhã desta quarta-feira (28).

De acordo com o Ministério Público, Lorram era o alvo principal da operação Plastografos II, mas não foi localizado. Segundo as investigações, o vereador teria promovido, constituído, financiado e integrado uma organização criminosa dedicada à prática dos delitos de corrupção passiva, uso de documento falso e estelionato.

A operação foi realizada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO/MPRJ), com apoio da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ).

Lorram também foi vereador de Búzios entre 2009 e 2016. Exerceu ainda o cargo em comissão de chefe de gabinete do então prefeito André Granado entre novembro de 2018 e maio de 2019, período em que foram praticados os delitos. Lorram já foi preso, em outubro de 2019, na operação Plastografos I.

O novo mandado de prisão foi deferido pelo Juízo da 1° Vara da Comarca de Armação dos Búzios. Somadas, as penas previstas ultrapassam dez anos de reclusão. O MPRJ informou que requereu ainda o bloqueio de bens do vereador no valor de aproximadamente R$ 9 milhões.