Caveirão da PM pega fogo após ataque com coquetel molotov

às
1

Um caveirão da Polícia Militar do Rio foi alvo de um ataque com bombas, na noite desta terça-feira, na comunidade Bateau Mouche, na Praça Seca, na Zona Oeste do Rio. Policiais inalaram fumaça e foram atendidos por bombeiros no local. Nenhum foi hospitalizado. Equipes do Núcleo de Apoio às Operações Especiais (Naoe) da Secretaria da PM estão no local na manhã desta quarta-feira para fazer a retirada do veículo blindado. O policiamento está reforçado na região.

A PM informou que o primeiro alvo dos criminosos foi a base avançada do 18º BPM no Bateau Mouche, que foi atacada por tiros e com objetos diversos arremessados. Após esse episódio, equipes seguiram em apoio e também se tornaram alvo dos bandidos. O caveirão, então, foi atingido por coquetéis molotov e acabou em chamas.

De acordo com informações da PM, o ataque foi uma represália contra a morte de David Odilon Carvalho de Oliveira, conhecido como DVD e apontado como um dos chefes do grupo criminoso que atua no local. Ele foi morto no último domingo.

O governador Cláudio Castro disse, em nota, que o ataque contra o blindado “é inadmissível” e que determinou que equipes permaneçam no local para localizar os responsáveis:

“Nossa luta contra o crime é diária. Não vamos permitir que a bandidagem se crie aqui. Nada vai impedir o trabalho das polícias. Esse ataque de hoje a um blindado que estava numa base do Batalhão de Jacarepaguá é inadmissível. E já sabemos que se trata de uma represália à morte do chefe do tráfico da comunidade, atingido em confronto por policiais do batalhão. Já determinei ao comandante da PM que as tropas especiais permaneçam no terreno para localizar os responsáveis. É um ataque não só contra a polícia, mas contra toda a sociedade!”.

“Esse ataque de hoje a um blindado que estava numa base do Batalhão de Jacarepaguá é inadmissível. E já sabemos que se trata de uma represália à morte do chefe do tráfico da comunidade, atingido em confronto por policiais do batalhão. Já determinei ao comandante da PM que as tropas especiais permaneçam no terreno para localizar os responsáveis. É um ataque não só contra a polícia, mas contra toda a sociedade!”
— Cláudio Castro, governador

Helicópteros blindados atingidos

Além dos caveirões, já atacados anteriormente, os helicópteros blindados das polícias Militar e Civil também são alvos de bandidos. Dois deles foram atingidos em março deste ano: um em no dia 17, na Cidade de Deus, na Zona Oeste do Rio e outro no Salgueiro, em São Gonçalo, na Região Metropolitana, no dia 23.

Por causa de episódios como esse, as duas polícias estaduais têm a previsão de gastar R$ 24 milhões este ano com seguros de sete aeronaves blindadas. Todos os contratos têm cláusulas de guerra , condições especiais mais comuns em países em conflito, como a Rússia e a Ucrânia.

Crédito: extra.globo.com

Veja também

Maricá subiu nove posições no ranking que mede a qualidade das informações fiscais e contábeis enviadas ao Tesouro
às
Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, inaugurou uma nova unidade da Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec), em Rio Bonito
às
A prefeitura de Rio Bonito inaugurou nessa terça-feira (18), os dois Laboratórios de Iniciação Científica “Intramuros”
às

Deixe aqui sua opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Últimas Notícias